sexta-feira , 29 de novembro de 2013

Remédios para emagrecer: conheça os tipos e seus efeitos colaterais

 

Imagem: sxc.hu

Imagem: sxc.hu

Em busca de um corpo perfeito, milhares de pessoas no mundo vêm fazendo uso de diversos tipos de remédios para emagrecer que, a curto ou longo prazo, causam sérias consequências para a saúde de seus usuários.

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a venda de substâncias como a anfepramona, o femproporex e o mazindol, utilizados no tratamento da obesidade. O CFM afirma que esse tipo de remédio é necessário no auxílio ao tratamento de pacientes com casos de obesidade e defende que seu uso deve ser supervisionado por médicos qualificados. Com a decisão da Anvisa, os médicos foram proibidos de prescrever medicamentos à base dessas substâncias, que tiveram sua fabricação proibida no país.

Entre os especialistas, o uso de remédios para emagrecer divide opinões. De um lado, alguns defendem que os remédios ainda são uma arma eficiente contra a obesidade. Do outro, há o time que condena o uso indiscriminado e os malefícios que essas drogas podem trazer à saúde dos usuários. Segundo a maioria dos especialistas, todos os tipos de remédios para emagrecer só devem ser usados quando a adoção de uma dieta saudável e a prática de exercícios físicos não mostram resultados satisfatórios na perda de peso. E mesmo quando o uso é necessário e controlado, há riscos de efeitos colaterais que variam de acordo com cada metabolismo. Dessa forma, a indicação de remédios para emagrecer deve ser restrita, sendo prescrita nos casos em que a obesidade se tornou um fator de risco. Além disso, há o risco de dependência: medicamentos para emagrecer podem causar dependência física e psicológica se forem usados por um período muito longo, além de se tornarem ineficientes. Com o passar do tempo, especialmente com as anfetaminas, o organismo pode desenvolver tolerância e não apresentar mais resultados.

O risco de recuperar o peso original – ou até mesmo adquirir um peso superior – após a descontinuidade do tratamento é grande se não houver reeducação alimentar e prática de exercícios físicos. O organismo entende que após um período sem as calorias necessárias, tudo que passamos a comer deve ser absorvido totalmente pelo corpo para repor o período de semi-abstinência. Por isso, apenas utilizar os remédios não resolve o problema. O uso da medicação pode apenas facilitar a perda de peso, mas não resolvê-la completamente. Assim, quem quer perder pouco peso consegue isso apenas controlando a dieta, realizando exercícios físicos ou procurando um SPA, por exemplo.

Existem basicamente três tipos de remédios para emagrecer: os anorexígenos, os sacietógenos e os inibidores de absorção de gorduras. Os anorexígenos inibem o apetite, e tem em sua composição de substâncias conhecidas como anfetaminas, que atuam no sistema nervoso central e cardiovascular. São exemplos deles a anfepramona, o fempropore e o manzidol. São os que apresentam efeitos colaterais mais severos, entre eles: irritabilidade, depressão, insônia, alterações de humor, constipação, dependência química, tremores, aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca. Já o segundo tipo funciona como estímulo à sensação de saciedade, diminuindo o apetite e a necessidade de comer. Os efeitos colaterais são mais suaves do que os relacionados aos anorexígenos. Os mais freqüentes são: irritabilidade, insônia e aumento da frequência cardíaca. A sibutramina(enquadrada na categoria de remédio controlado) é o mais utilizado dos sacietógenos. A categoria ‘inibidores da absorção de gordura’ atua na inibiçãoda absorção intestinal de cerca de 30% da gordura ingerida, portanto, não atuam nas áreas cerebrais. Os remédios Orlistat e Cetilistate são os mais conhecidos desse tipo. E os efeitos colaterais só aparecem se a pessoa ingerir gordura em excesso, o que causará diarréia. Além desses principais, há também os antidepressivos, que atuam na liberação de serotonina, um neurotransmissor que regula a sensação de saciedade. Seu principal representante é a fluoxetina.

O grande perigo do uso indiscriminado de remédios dessa natureza é a dependência dos mesmos para atingir o peso ideal, que poderia ser alcançado com uma reeducação alimentar e a ajuda de exercícios físicos regulares. As pessoas estão se acomodando à idéia de emagrecer rápido e sem sacrifícios. Peso ideal ou corpo perfeito não significam saúde. Só  um médico pode avaliar quem precisa ou não recorrer à essas vias. Quem não precisa usá-los por questões de saúde e o utilizam mesmo assim, o fazem por comodidade, pelo desejo de perder peso rápido sem ter que recorrer à mudanças de hábito. Não é saudável tanto pelo fato de não se mudar o que está errado na alimentação ou no sedentarismo da pessoa quanto pelo fato de se sofrer efeitos colaterais que podem ser severos.

Por isso, não de bobeira e não arrisque a sua saúde: se quiser ajuda para perder peso, escolha o método mais saudável recorrendo a dietas equilibradas e atividades físicas. Um nutricionista ou endocrinologista são profissionais ideais para te ajudar a perder uns quilinhos! Além disso, você pode praticar esportes como natação, dança, futebol ou até mesmo frequentar uma academia para exercitar o corpo.

Emagreça com saúde! =)

Matérias Relacionadas

Os comentários estão desativados.

© TeleListas 2019.